generalidades pilates

Pilates para tenistas

November 15th, 2011

Foto: Internet

O Tênis é uma atividade que exige física e mentalmente dos atletas, requerendo agilidade, coordenação, energia, resistência, força e equilíbrio. Em cada jogo o praticante realiza torções controladas do tronco, para que as pancadas sejam o mais precisas possível. Por ser uma atividade unilateral, é altamente suscetível ao desenvolvimento de grandes desequilíbrios músculo-esquelético, que na grande maioria dos casos resultam em padrões de movimento pouco eficientes dando origem às lesões características do Tênis.

 

Atualmente muitos jogadores de tênis procuram o Método Pilates para desenvolver um melhor desempenho no seu jogo e prevenir lesões.

 

Praticar Pilates é ter acesso a uma atividade de qualidade em excelência, onde as leis são a precisão, o controle e a fluidez do movimento. No Pilates não existe espaço para movimentos desnecessários e prejudiciais. O método ainda desenvolve uma respiração eficiente e adequada, onde é utilizado todo o potencial do diafragma, músculos abdominais e paravertebrais lombares, criando um centro de força no corpo, que possibilita adquirir estabilidade, aumento de precisão e potência dos movimentos em membros superiores e inferiores, o que completa os princípios do método.

 

O tênis é um esporte assimétrico para o corpo, e esta é uma das causas mais frequentes de desequilíbrio da musculatura, que acaba por resultar em lesões agudas e crônicas, tornando algumas vezes quase impossível o sucesso e o prazer na prática do tênis. O Pilates pode ser o parceiro ideal no treino do tenista, pois trabalha todo o corpo de uma forma simétrica e equilibrada, desenvolvendo os músculos que desenvolvem potência nos golpes, mas também trabalha os músculos responsáveis pela estabilidade, controle e a desaceleração do movimento.

 

Benefícios do programa de condicionamento Pilates para o Tênis:

 

– Aumenta a força do centro aumentando a força da rebatida;

– Melhora o equilíbrio e controle de reação rápida para mudança de direção;

– Fortalece os ombros e os braços para melhorar a velocidade da rebatida;

– Aumenta a velocidade da extremidade da raquete;

– Melhora a flexibilidade e estabilidade para controlar rebatidas;

– Melhora o controle muscular para evitar lesões;

– Aumenta a força superior e inferior do corpo e a resistência;

– Reduz lesões nas costas, pelo aumento da flexibilidade;

– Fornece níveis mais elevados de concentração.

 

Um corpo equilibrado é um corpo com menos desgaste, pois desperdiça menos energia, tornando o movimento mais eficiente e poderoso, o que irá possibilitar ao atleta não só diminuir os riscos de lesões e de fadiga, mas também atingir níveis mais elevados na sua capacidade técnica e mental. Aumentando as possibilidades de sucesso, saúde e bem estar.

Alongamento axial: como acontece?

August 16th, 2010

Vamos lá: será que você tem alongamento axial? Não sabe? E dor nas costas você tem?

Hum… E essas pessoas das fotos, será que sentem dores nas costas?

Alongamento axial: como acontece? Alongamento axial: como acontece?

Se você respondeu que com certeza elas sentem dor, se equivocou. Estudos dizem que não.

E para mostrar de forma mais clara e instigar a curiosidade de vocês a continuarem lendo, vou usar o exemplo dessas pessoas que carregam cargas na cabeça por horas às vezes. E por que elas não sentem dor? Simples, eles possuem um ótimo alongamento axial, observe as suas posturas, bem eretas, e equilibradas. E é isto que um bom alongamento crânio-caudal faz com nossa postura, a deixa alinhada, com todas as curvas naturais da coluna preservadas.

OK. Mas o que é alongamento axial?
Vamos à definição: o alongamento axial é a criação de espaço articular, se tratando da coluna esse espaço é aumentado entre os discos vertebrais. O benefício direto da aplicação deste princípio é a melhor mobilidade da coluna e diminuição de compressões nos discos, logo alívio de dores e prevenção de patologias (ex: hérnia de disco).

Bom, acabamos de ler que é preciso “descomprimir” os discos e isso é possível com o alongamento axial. Sendo assim, essas cargas acima da cabeça não geram mais pressão, peso na coluna? Não, ao menos no caso dessas pessoas que já fazem isso desde crianças e assim fortalecem a coluna. Como? Para entender melhor, vamos analisar o funcionamento de alguns aspectos da coluna vertebral.

Suas partes “principais” são: corpo vertebral, disco intervertebral (anel fibroso e o núcleo pulposo).
O disco vertebral funciona como um amortecedor, as pessões são distribuídas por todo o disco, e o núcleo dentro dele põem-se sob tensão e age como um amortecedor fibro-hidráulico, que funciona muito bem se mantendo hermeticamente fechado (caso contrário temos uma hérnia, quando o núcleo é rompido e não suporta mais essas pressões) vejamos as figuras:

Alongamento axial: como acontece? Alongamento axial: como acontece? Alongamento axial: como acontece?

Então quando essas pessoas colocam a bacia na cabeça, elas precisam manter-se eretas para a água não cair, com isso seus discos alinhados funciona perfeitamente como amortecedor, e isso acaba sendo um exercício para as musculaturas mais profundas. É importante ressaltar, que isso não vale para nós que não estamos habituados, se resolvermos fazer isso, é provável de ficarmos com dor por dias.
Temos também nesse aspecto do amortecimento o mecanismo de ação e reação, que funciona como mostrado a seguir: durante os exercícios abdominais, por exemplo, uma força de ação é realizada na flexão do tronco (quando subimos), e em contra resposta uma de reação (Lei de Newton), isso gera uma pressão (musculatura abdominal x dorsal), que terá que sair por algum lado concorda?

Ela só conseguira sair por cima ou por baixo, já que pela frente e por trás ainda está ocorrendo à pressão. Essa saída faz com que as vértebras se distanciem mais, aliviando assim os discos vertebrais. Vejamos:

Alongamento axial: como acontece?
É justamente essas características de amortecimento do núcleo pulposo, ação e reação que exploramos no alongamento axial, são esses mecanismos que nos permite alongar axialmente, ou seja na longitudinal, crânio-caudal. E assim manter as curvaturas preservadas, que distribuem as cargas ao longo de toda coluna.  Veja as figuras ao lado: Quando a coluna se mantem alinhada, os discos ficam livres de compressão, podendo até suportar cargas importantes, como as pessoas que transportam o peso sobre a cabeça.  Vamos experimentar uma situação de alongamento axial?

– Posicione-se sentado em uma cadeira com os ísquios bem apoiados (aqueles ossos do quadril proeminentes na região dos glúteos), com os pés bem apoiados no chão. A coluna lombar neutra, ou seja, normal com sua lordose (curvatura entre os glúteos e as costelas).

– Imagine agora que sua cabeça é uma bola de gás e a sua coluna é a linha amarrada nessa bola. Sendo assim, este bola cheia de gás (sua cabeça) está sempre querendo subir mais (“criar” espaço entre os discos vertebrais) e a sua coluna, sendo representada pela a linha amarrada na bola, mantêm-se esticada a todo instante, mas de forma natural, mantenha os ombros baixos e relaxados; respire mantendo esse alongamento longitudinal com o abdômen levemente contraído.

– Agora “desmonte” a postura, fique normal e veja a diferença de como é uma posição bem alinhada e como você costuma ficar no dia a dia. Pois bem, depois dessa explicação e sensação me respondam: como vai seu  alongamento axial?
Beijos… aguardo as dúvidas e sugestões!

Pilates ajuda no controle do stress

January 4th, 2012

Foto: Pilates Studio Fit

Mais do que uma atividade complementar para preparar o corpo de forma equilibrada para a corrida, a prática de Pilates vai muito além do condicionamento dos músculos, da correção do gesto técnico e da prevenção de lesões.

Criado com a intenção de restabelecer e manter a saúde integral do indivíduo, o método Pilates tem papel de extrema importância no gerenciamento do stress negativo em nossas vida.

Primeiramente porque o método foi estruturado levando em consideração a forma pela qual devemos nos mover para atingir o perfeito equilíbrio e economia de movimentos, respeitando as estruturas anatômicas e biomecânicas do corpo. Para tanto, cada exercício foi pensado para ser realizado de determinada forma e ritmo, com baixo número de repetições e alta qualidade de execução.

Isso foi possível porque Joseph Pilates, criador da técnica foi atento observador da natureza e dos animais e estudioso praticante de diferentes formas de esportes e atividades físicas. Ele conseguiu reunir em uma só técnica a sabedoria das práticas milenares do oriente, como o yoga e as artes marciais, e o treinamento físico com vistas ao condicionamento e fortalecimento do corpo praticados no ocidente.

Levando em consideração não apenas que exercícios realizar, mas principalmente como realizá-los, vamos realmente atingir o controle e a consciência necessária para a prática do Pilates.

E de que forma isso ajudaria a equilibrar o stress?

Primeiramente pela prática consciente e completa da respiração durante a execução de todos os exercícios. Segundo B.K.S. Iyengar, mestre indiano de Yoga, “controlar a respiração e observar seus ritmos aquieta a consciência. Ao controlar a respiração você está controlando a consciência, e, ao controlar a consciência, você dá ritmo a respiração”.

Já se comprovou que a respiração lenta e profunda reduz significativamente os níveis de cortisol no sangue ao longo do tempo. A hipersecreção contínua de cortisol, responsável pela reação de estresse generalizada, é a responsável pelos estados negativos como depressão por exemplo, em contrapartida, baixos níveis de cortisol estão relacionados a sensação de bem-estar.

Por esse motivo, terminamos uma aula de Pilates sentindo o corpo trabalhado, energizado e com uma grande sensação de bem-estar.

Outro componente para a redução do stress é aprender a mover-se sem tensão, usando apenas os músculos necessários para a realização de um determinado movimento. O relaxamento consciente e seletivo proporciona maior economia de movimentos, facilita a fluidez, o controle e a precisão de movimentos.

A concentração garante a execução de movimentos conscientes e corretos. Ao concentrar-se em si mesmo, no próprio corpo, elimina-se a tendência de vaguear a mente por assuntos diversos que não nos ocupam aqui e agora.

A melhor notícia é que exercitar-se desta forma traz benefícios não apenas durante e logo após o término da aula de Pilates. Esse aprendizado de si mesmo é levado para todas as situações cotidianas nos ajudando a reconhecer os estados físicos e mentais e consequentemente nos proporcionando a oportunidade de agir de forma mais eficiente e consciente em todos os planos da vida.

Aquietar a mente, desenvolver equilibradamente o corpo reconhecendo o seu limite integra nosso ser e nos aproxima de nossa alma. Era isso que Joseph Pilates almejava com seu método: a saúde integral. Está aí a nossa disposição, experimente!

Pilates para idosos – auto-estima e qualidade de vida

December 6th, 2010

Pilates para idosos – auto-estima e qualidade de vida Fonte: Internet

Em nossa sociedade encontramos com frequência quem acredite que com o passar dos anos, a idade avançada torna as pessoas obsoletas e incapazes. Estudos comprovam que as pessoas que pensam desta forma são justamente aquelas que acabam por ficar desse jeito.

Envelhecer não deve ser sinônimo de incapacidade. É possível aproveitar a vida quando se está numa idade avançada. Uma ótima maneira de se fazer isso é praticando atividades físicas.

O Pilates é um exercício muito eficaz para amenizar e até mesmo reverter os efeitos do tempo sobre o corpo. As gerações mais velhas podem tirar proveitos de muitos de seus benefícios. Por ser um exercício de baixo impacto, não há pressão sobre as articulações enquanto os movimentos são executados, tornando-o ideal para os praticantes da terceira idade.

O Pilates proporciona uma espinha mais resistente de modo a aumentar o equilíbrio corporal, o que é um grande avanço, já que o idoso tem seu equilíbrio comprometido devido aos desvios posturais decorrentes da idade. Através de exercícios desafiadores, o equilíbrio é restabelecido, restaurando as conexões responsáveis pela sensação de segurança ao caminhar e realizar as atividades do dia-dia.

A prática estimula a produção e a demanda de cálcio para os ossos que possam estar fragilizados, proporcionando lubrificação e aumento da amplitude dos movimentos para as articulações acometidas, respeitando os limites e avanços de cada um dentro das aulas. Por isso, os portadores de doenças como artrose, artrite reumatóide, artroplastia e discopatias degenerativas (degeneração das vértebras e discos da coluna), osteopenia e osteoporose também podem obter melhorias com o treinamento.

Contudo, o maior ganho da prática talvez seja a melhora que ela proporciona à auto-estima. Conforme o idoso se familiariza com os exercícios, ele se surpreende por conseguir realizar uma série de movimentos que, até então, ele não se julgava capaz.

O Pilates incentiva a vontade de aprender e viver, proporcionando melhor qualidade de vida. Através dele os idosos podem resgatar a confiança em si mesmos, valorizando-se mais e desfrutando melhor das coisas boas que a vida tem a oferecer.

Fonte: http://www.beautiful-body-ideal-weight.com

Pilates auxiliando pacientes oncológicos

November 22nd, 2011

Foto: Pilates Studio Fit

Diariamente ouvimos falar de pessoas que foram diagnosticadas com câncer, no entanto essa patologia atinge muitas pessoas em diferentes níveis. Contudo nos perguntamos se há alternativas para amenizar os desconfortos causados pelo tratamento agressivo.

Sendo diagnosticado o câncer e tendo se submetido aos tratamentos invasivos, como com qualquer exercício, o indivíduo deve consultar seu médico antes de começar as aulas. E da mesma forma, assegurar-se de que o instrutor de Pilates escolhido seja capacitado profissionalmente e tenha conhecimento sobre recuperação cirúrgica. Para casos de reabilitação, é melhor começar com aulas individuais e só depois da recuperação partir para aulas de dupla ou grupo.

Os efeitos colaterais relacionados com o tratamento do câncer, como diminuição do nível de energia, fraqueza muscular, quedas no status funcional e massa corporal têm sido bem documentados. Programas de exercícios que impedem o descondicionamento e aumentam a força e o equilíbrio, como o Pilates, podem fornecer um meio eficaz de melhorar os efeitos neuromusculares dos tratamentos.

O Pilates pode amenizar esta separação mente-corpo, incentivando o movimento consciente de cada membro, concentrando-se na qualidade do movimento e não nas repetições. Enfatizando a sensação obtida com cada movimento, ao invés da aparência, o aluno vai aos poucos restaurando a confiança em si mesmo.

Benefícios do Exercício para a recuperação do câncer

· Melhora os níveis de energia;

· Melhora o equilíbrio e controle;

· Maior tolerância de medicamentos tóxicos;

· Controla o peso nos indivíduos com AIDS;

· Reduz os sentimentos de ansiedade e depressão;

· Melhora a auto-confiança;

· Diminui o stress e a tensão.

Pilates para a recuperação do câncer

Praticamente qualquer exercício pode ajudar pacientes com câncer, em tratamento ou recuperação do tratamento. No entanto, Pilates provou ser um dos programas de exercício mais seguros para um sobrevivente do câncer. O Pilates oferece uma reintrodução não impactante ou a introdução, pela primeira vez, para o exercício, que pode ajudar pacientes com câncer a recuperar a resistência física e a saúde emocional.

Pilates é um exercício total do corpo que aumenta a circulação, flexibilidade e força. Os exercícios de Pilates podem ser facilmente modificados para acomodar qualquer prejuízo, desequilíbrio ou área frágil do corpo. As opções dos exercícios assistidos em Pilates são um bom ponto de partida. Existem infinitas opções para desafiar o cliente, como se movem através de seu tratamento e melhorar fisicamente. O sobrevivente do câncer pode atingir pequenas metas rapidamente o que contribui com o senso global de realização e bem-estar.

Pilates X Ombro Congelado ou Capsulite Adesiva

November 25th, 2011

Imagem: ClubedoPilates

Ombro congelado, também conhecido como Capsulite Adesiva, é a perda da movimentação ativa e passiva do ombro, ou seja, o ombro fica rígido e dolorido.

Esta alteração ocorre principalmente em pacientes entre 40 e 60 anos e não está relacionado ao sexo, braço dominante ou profissão.

O ombro congelado não está ligado a algum trauma no ombro. Quando o paciente fica com o movimento do ombro limitado por semanas, meses ou anos por causa de uma lesão, a cápsula em volta da articulação do ombro pode se tornar rígida e desenvolver tecido fibroso, causando adesão na articulação.

Os pacientes progridem de uma fase de rigidez matinal, acompanhada de dor e perda progressiva do movimento do ombro para uma fase de “descongelamento” com diminuição do desconforto associado a uma melhora lenta da movimentação da articulação.

Geralmente o processo leva de 6 meses a 2 anos ou mais para recuperar a lesão, nesse período a maioria dos pacientes sofre de dor leve porém constante e déficit de funcionalidade do braço.

Os movimentos mais difíceis de serem realizados pelos pacientes são, geralmente, erguer o braço acima da cabeça ou coçar as costas, as mulheres relatam muita dificuldade de abrir e fechar o sutiã.

O médico provavelmente encaminhará o paciente para a fisioterapia para que um programa de exercícios supervisionado seja realizado.

Pilates intervém de forma eficiente para a manutenção da fisioterapia convencional, bem como o fortalecimento muscular necessário. Após uma avalição do quadro, o instrutor do método prescreverá exercícios que dão continuidade ao estímulo das mobilizações glenoumeral, esternoclavicular, acromio clavicular e escapulocostal, focando a separação, rolamento, deslizamento e giro das articulações. Sendo o Pilates um método que constrói o equilíbrio muscular, o aluno/paciente também executará exercícios de alongamento, a fim de aumentar o comprimento dos tecidos moles encurtados na patologia, auxiliando a amplitude dos movimentos; além de exercícios de fortalecimento muscular, uma vez que a amplitude da articulação glenoumeral esteja restaurada. Através do Pilates, a função do manguito rotador e deltóide também se beneficia com a coordenação e propriocepção. Desta forma, é possível recuperar a função da região acometida, criando caminhos à qualidade de vida.

O médico poderá prescrever medicamento antiinflamatório e aplicar uma injeção com medicamento corticosteróide na articulação do ombro.

Quando o ombro estiver dolorido é importante usar compressas de gelo por 8 minutos, seguidos de 3 minutos sem ele, esse ciclo deve ser repetido até completar 20 ou 30 minutos. Pode ser feita 3 ou 4 vezes ao dia. Em caso de não haver resposta à terapia, o médico poderá sugerir uma “manipulação sob anestesia”. Neste procedimento, o paciente recebe anestesia geral e o médico moverá o ombro em várias direções para soltar a aderência, na cápsula do ombro.

O objetivo da reabilitação é que o retorno do paciente ao esporte ou à atividade aconteça o mais breve e seguramente possível. O retorno precoce poderá agravar a lesão, o que pode levar a um dano permanente. Todos se recuperam de lesões em velocidades diferentes e, por isso, para retornar ao esporte ou à atividade, não existe um tempo exato, mas quanto antes o médico for consultado, melhor.

O retorno ao esporte acontecerá, seguramente, quando:

• O ombro lesionado estiver com total capacidade de movimento, sem dor.

• O ombro lesionado tiver recuperado a força normal, comparado ao ombro não lesionado.

Pilates ganha massa muscular?

December 5th, 2011

Por Rafaela Porto

Certificated Instructor STOTT PILATES

Coordenadora Técnica da Pilates StudioFit


Foto: Pilates Studio Fit

O Pilates vem se tornando cada vez mais comum entre as pessoas e precisamos estar atentos aos benefícios que a atividade proporciona: Músculos mais tonificados e alongados, ganhos de força e estabilização do centro, previne lesões, alivia tensões e dores nas costas, melhora a postura, consciência corporal, coordenação motora, equilíbrio e condicionamento físico.

Sabendo que nosso corpo recebe alterações diversas, uma das preocupações sem dúvida torna-se a perda de massa muscular e principalmente entre as mulheres. O Pilates é uma atividade que exercita o corpo em equilíbrio. Os exercícios podem ser feitos tanto no solo (Mat Pilates), como também em equipamentos (estúdios).

No solo, utiliza-se o peso do próprio corpo a favor ou contra a ação da gravidade. As aulas são iniciadas com exercícios de baixa dificuldade e vamos progredindo de acordo com a aptidão física de nosso cliente com ou sem a utilização de alguns acessórios, seja para desafiar ou facilitar a execução.

Nas aulas com equipamentos, os mesmos, pela estrutura física conter molas, podem auxiliar ou desafiar o praticante. Entre os equipamentos mais utilizados estão o Reformer: com base de suporte móvel (carrinho) com molas, alças, barra, plataformas e caixas; o Cadilac: com base de suporte grande e fixa com estruturas como os postes verticais e horizontais, molas, barras, alças entre outros acessórios próprios do equipamento; a Cadeira: com base de suporte pequena com dois pedais (podendo ser utilizados unidos ou separados) com molas e cada uma com 3 tensões diferentes, ideal para trabalhar descarga de peso e movimentos recíprocos; e o Barril Ladder: que tem a base de suporte em forma uma curva com uma escada na lateral, geralmente indicado para movimentos de coluna, abdômen e alongamento.

Uma das frequentes interrogações é a respeito do ganho de massa muscular no Pilates. Algumas atividades têm treinamentos específicos de ganho muscular, o Pilates com certeza se torna um complemento desse trabalho realizado. O aluno conseguirá definir a musculatura, sem aumentar o seu volume, ou seja, o foco do Pilates NÃO é hipertrofia.

O resultado do Pilates não está relacionado ao número de repetições e sim pela qualidade do movimento. A consciência corporal adquirida, somada a um trabalho da estrutura musculoesquelética, permite a execução dos exercícios com eficiência e segurança.

Atividades físicas, que um dos objetivos é a hipertrofia, também trazem benefícios ao corpo e no acompanhamento de um profissional qualificado, o mesmo orientará seu cliente de qual modalidade será a ideal para alcançar seu objetivo.

Biografia de Joseph Pilates

December 22nd, 2011

Imagem: Vittalisa

Joseph Hubertus Pilates nasceu na Alemanha, seu pai era um premiado ginasta e a mãe ajudava com algumas habilidades de Naturopatia. Ele foi uma criança muito doente com asma, raquitismo e febre reumática, prevendo seu futuro numa cadeira de rodas, Joseph começou a estudar por conta própria, medicina oriental, anatomia e fisiologia humana e yoga.

Assim, ele desenvolveu uma série de exercícios que o curaram de seus problemas de saúde. Joseph criou seu próprio método e tornou-se obcecado em superar suas limitações físicas. Passou a praticar esportes como esqui, ginástica e mergulho. Após algum tempo, ele já estava num estado físico excelente, a ponto de posar para mapas anatômicos.

Em 1912, Pilates vai para a Inglaterra. Relatos históricos indicam que a mudança foi com o propósito de continuar seus treinamentos de boxe. Lá ele trabalha como artista circense e ministra aulas de defesa pessoal para o quartel general da polícia civil inglesa. No ano de 1914, eclode a Primeira Guerra Mundial, e assim, Joseph Pilates é levado para o exílio. Durante o período em que esteve preso ele incentivou os alemães de seu pavilhão a praticarem o que ele chamava de Contrologia – controle consciente de todos os movimentos musculares do corpo.

Mais tarde ele foi transferido para “The Isle of Man”, onde começa a praticar enfermagem. O estado deplorável dos prisioneiros de guerra faz com que Pilates crie um sistema de trabalho mais fácil que os exercícios de Solo. Ele então cria alguns aparelhos através de molas e macas velhas. As origens do Reformer moderno com suas molas de resistência e carrinho deslizante, podem ser encontradas nos equipamentos que Joseph Pilates inventou durante este período para permitir que os pacientes acamados continuassem a ser exercitar e desenvolver força e flexibilidade, tirando-os da cama.

Pilates recebeu créditos pelo fato de nenhum dos prisioneiros de seu pavilhão ter sido afetado pela epidemia de Influenza que matou milhares de ingleses.
Após o término da guerra, Pilates voltou para a Alemanha, onde seu método ganhou apoio entre os dançarinos. Ele recusou ao pedido do governo alemão para treinar as forças armadas e partiu para os Estados Unidos.

Aos 46 anos ele conheceu aquela que viria se tornar a sua segunda esposa, a enfermeira Clara: “Falávamos muitas horas sobre saúde e a necessidade de manter um corpo saudável” dizia ela. Eles se estabeleceram em Nova Iorque e abriram um estúdio.

De acordo com Mary Bowen, aluna de Joseph e Clara, ambos eram igualmente talentosos “Pilates era inventivo, extravagante e otimista. Ela por sua vez, era a retaguarda, segura, a base de sustentação de Joe”.

Existem histórias de que Joseph Pilates não era um professor muito bom. Ele era um inventor notável, um inovador sem precedentes, mas não impressionava com suas habilidades de comunicação. Em contrapartida, sua esposa Clara é apontada como a verdadeira instrutora no estúdio. Seu toque e voz suave são lembrados até hoje por seus alunos dedicados.

Não se sabe ao certo como ocorreu a morte de Joseph. Há quem diga que foi em decorrência de um incêndio em seu estúdio no ano de 1966. Outras teorias afirmam que Joseph faleceu dois anos depois deste episódio, devido a um enfisema pulmonar, por fumar charutos demais.

O obituário do The New York Times afirma que Pilates teria falecido aos 86 anos no hospital Lenox Hill: “Um leão branco com olhos azuis de aço (um era de vidro, perdido em um acidente de boxe), pele cor de mogno, e aos 80 anos, tão ágil quanto um adolescente.”

Clara continuou ministrando aulas, assim como seus discípulos. Atualmente, o Método Pilates é utilizado internacionalmente por pessoas de todos os níveis de aptidão física, bem como por companhias de dança, shows da Broadway, equipes esportivas, e muito mais.

Milhões de pessoas em todo o mundo estão praticando Pilates, e os números continuam a crescer.

“As pessoas não vão entender o brilho do meu trabalho nos próximos 50 anos” Joseph Pilates

Pilates e a “Dor no Joelho”

Por Rafaela Porto

Certificated Instructor STOTT PILATES

Coordenadora Técnica da Pilates StudioFit

Foto: Pilates Studio Fit

Uma das maiores queixas de dores é a DOR NOS JOELHOS, uma das articulações que nosso corpo mais sofre porque a articulação permite muita mobilidade. A dor pode ser a causa de muitos fatores como, por exemplo: desequilíbrios musculares, desvio postural, sobrepeso entre outros como a artrite, tendinite, condromalácia, ou até mesmo lesões no menisco, tendões e ligamentos.

A primeira coisa que um instrutor de Pilates deve se preocupar é o histórico dessa pessoa, desde rotina de vida até os momentos de como ela sente a dor. Através da Análise Postural desse cliente o instrutor observa os desvios posturais e desequilíbrios musculares (ele consegue identificar o que está alongado ou encurtado), então é possível programar a aula em relação ao que deverá ser estabilizado, mobilizado e possíveis modificações de acordo com as necessidades daquela postura.

Sem dúvidas o acompanhamento de um especialista do caso não é descartado. Hoje em dia está cada vez mais comum encontrarmos profissionais de diferentes áreas tratando e/ou treinando o mesmo cliente cada um dentro de sua especialidade, ou seja, o tratamento da dor nunca será um só, serão válidos outros acompanhamentos com certeza.

Dentre os tratamentos destacam-se: ingestão de analgésicos, injeções, aplicação de gelo ou até mesmo cirurgia em casos irreversíveis, mas vale lembrar que o sedentarismo acelera o surgimento de problemas nos joelhos, por isso o motivo da indicação da atividade física e entre todas estão modalidades de baixo impacto, que por sua vez o Pilates é a indicação mais comum.

O Pilates desde a década de 20 foi se desenvolvendo cada vez mais e hoje sabemos que é saudável ao corpo exercitar-se com um alinhamento que seja o mais próximo do que chamamos de neutro possível, natural. Com isso atingimos resultados através dos objetivos do método (melhora da postura, fortalecimentos muscular, prevenção de tensão, dor e lesões)

SUGESTÕES:

* Mantenha a prática de atividade física regularmente (prefira modalidades de baixo impacto, por exemplo, o Pilates);

* Opte por calçados e vestimenta adequados para cada tipo de modalidade;

* Evite ficar com o joelho flexionado por muito tempo;

* E para as mulheres, use sapato com salto com moderação, pois além de encurtar a musculatura da panturrilha geralmente comprometerá o equilíbrio no alinhamento neutro de seu corpo.

Benefícios do Pilates na Incontinência Urinária

November 9th, 2011

Imagem: Internet

A International Continence Society (ICS) define a incontinência urinária como “uma condição na qual a perda involuntária de urina é um problema social ou higiênico e é objetivamente demonstrável”. As causas da IU são diversas, entretanto na maioria dos casos pode-se citar a idade avançada, a gravidez, o parto, a diminuição dos hormônios femininos na menopausa, o tratamento do Câncer de Próstata e as incapacidades físicas e mentais.

Causas primárias ou agravantes da incontinência urinária:

SEDENTARISMO – pouca atividade física associada a longo período de permanência na posição sentada causam diminuição na força da musculatura do períneo.

TABAGISMO – a nicotina diminui a síntese e a qualidade do colágeno, fundamental na manutenção da elasticidade muscular, e também favorece o surgimento de contrações involuntárias da bexiga. O excesso de tosse, comum aos tabagistas, causa danos aos tecidos de sustentação da uretra e da vagina.

DOENÇAS PULMONARES CRÔNICAS – a tosse provoca um aumento da pressão intra-abdominal em relação à pressão uretral, afora os danos acima mencionados.

DOENÇAS NEUROLÓGICAS – de origem central ou periférica como na doença de Parkinson, esclerose múltipla, lesão do cone medular, etc.

CONSEQUÊNCIA DE ALGUMAS CIRURGIAS

USO DE DIURÉTICOS – por aumento na produção de urina, em condições já de algum comprometimento da contenção urinária.

INFECÇÃO URINÁRIA – quando com infecção urinária, as mulheres apresentam piora do quadro de incontinência.

DIABETES – devido às alterações da inervação local e à maior predisposição de adquirir infecção urinária.

Outras causas podem ser de duração mais prolongada, até mesmo permanente: hiperatividade do músculo da bexiga, fraqueza dos músculos que seguram a bexiga no lugar, fraqueza no esfíncter uretral (músculo que circundam a uretra), problemas congênitos, aumento da próstata, lesões da coluna espinhal, cirurgias ou doenças envolvendo nervos e/ou músculos (esclerose múltipla, distrofia muscular, poliomielite e acidente vascular cerebral). Em muitos casos, vários fatores estão associados como causa da incontinência.

A necessidade de ir ao banheiro imediatamente, a perda de urina durante o sono ou depois de algum esforço como tossir ou pegar peso, ou não perceber que a bexiga está cheia são situações mais comuns do que se imagina.

Contudo a incontinência urinária se divide em alguns tipos:

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO – ocorre quando a pressão abdominal é superior a pressão de fechamento da uretra, causando uma perda involuntária de urina em esforços como tossir, espirrar ou levantar peso. Ocorre devido a uma deficiência no suporte vesical e uretral que é feito pelos músculos do assoalho pélvico ou por uma fraqueza ou lesão do esfíncter uretral.

INCONTINÊNCIA DE URGÊNCIA– o indivíduo sente urgência em urinar, levando à perda do controle miccional. Acontece quando a bexiga está hiperativa, ou seja, contrai sem o seu comando ou desejo de que ela faça isso. Existem várias causas para essa condição. A bexiga pode tornar-se hiperativa devido uma infecção urinária que irrita a mucosa da bexiga ou por alterações nos nervos que normalmente controlam a bexiga e em muitos casos a causa pode não ser detectada.

INCONTINÊNCIA MISTA– é uma combinação das duas condições anteriores.

INCONTINÊNCIA PARADOXAL – o paciente não consegue eliminar toda urina da bexiga, causando sensação de gotejamento após a micção.

BEXIGA NERVOSA – normalmente a mulher deve ser capaz de suprimir o desejo de urinar e neste caso, ao tentar suprimi-lo ocorre uma contração involuntária do músculo da bexiga (músculo detrusor), escapando urina.

INCONTINÊNCIA POR TRANSBORDAMENTO – ocorre quando a bexiga não é esvaziada por longos períodos, tornando-se tão cheia que a urina simplesmente transborda. Isso pode acontecer quando existe uma diminuição da sensibilidade da bexiga (você não percebe que a bexiga está cheia), quando existe uma fraqueza do músculo da bexiga ou obstrução na uretra que dificulta o esvaziamento normal. A principal causa de incontinência por transbordamento é um aumento da próstata com obstrução da uretra. Por essa razão esse tipo de incontinência é mais comum no homem. Fraqueza do músculo da bexiga e diminuição da sensibilidade pode ocorrer em ambos, homens e mulheres, mas isso é mais comum em pessoas com diabetes, uso crônico de álcool e outros problemas que levem a diminuição da função neuronal.

ENURESE NOTURNA – Perda de urina durante o sono. Quando um indivíduo apresenta duas ou mais causas de incontinência, cada causa deve ser encontrada e tratada apropriadamente.

Embora atinja todas as idades e ambos os sexos, as mulheres são mais suscetíveis à incontinência urinária, apresentando uma probabilidade duas vezes maior de desenvolvê-la. A musculatura mais forte, a uretra mais longa e a presença da próstata contribuem para os índices mais baixos entre os homens.

Além de remédios e as intervenções cirúrgicas convencionais, o Pilates surge como uma nova alternativa de tratamento e também de prevenção à IU, já que tem como um dos principais focos o fortalecimento da musculatura pélvica – favorecendo assim um maior controle sobre o fluxo de urina.

Por isso, alunos de Pilates são menos suscetíveis à doença, já que, durante as aulas eles têm a chance de trabalhar mais as regiões do abdômen e pélvica, especialmente o períneo (área entre o ânus e a uretra).

É muito importante que cada aluno de Pilates seja avaliado quanto ao nível de consciência da ação dessa musculatura e ainda sejam continuamente monitorados quanto ao padrão respiratório correto durante a atividades. A conhecida “Manobra de Valsalva” (prender a respiração durante o exercício) deve ser reprovada, pois esse ato aumenta ainda mais a pressão intraabdominal e ocasiona maior sobrecarga ao assoalho pélvico, que se fadiga mais rápido e torna-se incapaz de manter-se contraído. O resultado disso é a perda involuntária de urina – evento totalmente constrangedor e indesejável.

No entanto é importante relembrar que os casos de incontinência urinária devem ser acompanhados por um médico que, aí então, poderá indicar o Pilates como uma solução para o problema. Ao fisioterapeuta, ou o instrutor de Pilates, caberá a tarefa de desenvolver e aplicar um plano de reeducação do pavimento pélvico, um processo individualizado e que dê resposta às necessidades de cada paciente.

Idosos: Porque praticar Pilates?

Imagem: Internet/Clara e Joseph Pilates

Se você está pensando em ter aulas de Pilates, mas tem dúvidas se você pode conseguir, pense da seguinte maneira: Joseph Pilates, o inventor do método praticava Pilates muito bem em seus oitenta anos.

Um estudo publicado na revista médica “Spine”, relatou os efeitos do exercício de Pilates no alinhamento postural em adultos com mais de 60 anos de idade. Depois de seguir um grupo de 34 pessoas que estiveram envolvidas em um programa de Pilates de dez semanas, os pesquisadores descobriram que sua postura melhorou substancialmente.

O princípio básico de Pilates trabalha o fortalecimento e alongamento dos músculos de forma equilibrada. A força do núcleo é o objetivo em todos os programas Pilates, é importante manter os músculos do núcleo fortes à medida que envelhecemos, à fim de evitar dores nas costas. Pilates também é visto como um exercício para promover uma sensação geral de bem-estar.

Os benefícios

São muitos os benefícios proporcionados pelo Pilates aos idosos: alívio da dor, principalmente as lombares, maior percepção dos movimentos, fortalecimento muscular, maior equilíbrio, aumento da flexibilidade (musculatura mais alongada), alívio do estresse, entre outros. A grande vantagem está na melhora da auto-estima do praticante, uma vez que ele consegue realizar uma série de exercícios físicos que até então, não se julgava capaz.

Mais força, maior controle muscular, melhor capacidade respiratória e melhor circulação, maior flexibilidade, musculatura mais alongada, tonificada e definida, postura mais correta, mais consciência corporal, maiores equilíbrio e coordenação, alívio do estresse, da fadiga e de dores musculares e melhor saúde das articulações são alguns dos ganhos enumerados. Tudo em benefício dos mais idosos ou de quem tem algum problema de saúde que causa limitações físicas.

Fazer Pilates não é mérito só de pessoas mais jovens. O Pilates oferece um atendimento personalizado para idosos, realizando um trabalho corporal direcionado às pessoas com limitações físicas de acordo com a idade. Se você optar por ter aulas, mas tiver algum problema médico, primeiro verifique com seu médico. Além disso, certifique-se de seu instrutor de Pilates é certificado. Tenha em mente que um bom instrutor vai oferecer sugestões para modificações exercício, e as aulas devem ser pequenas o suficiente para que a instrução individual esteje disponível.

Pilates pode ajudar hipertensos

November 24th, 2011

Imagem: Internet

A Hipertensão é uma patologia cada vez mais comum entre pessoas de todas as idades e é muito comum que indivíduos com este problema acabem buscando o Pilates, para auxiliar na sua qualidade de vida, diminuir o stress, entre outros fatores relacionados à pressão arterial. O método Pilates pode ajudar muito este tipo de aluno e alcançar estes propósitos, mas alguns cuidados precisam ser tomados com relação à escolha dos exercícios para este público.

Durante a atividade física se produz mudanças na circulação sanguínea destinadas a prover um maior aporte de oxigênio aos tecidos que estão se movimentando. Este aporte maior se produz graças ao esforço do coração, pois este órgão, dependendo do esforço realizado, acaba aumentando o volume de sangue que envia ao corpo todo, uns 70 centímetros cúbicos de sangue por batida. Este valor, multiplicado por 70 batidas por minuto (a normal, em repouso) representa, aproximadamente, 5 litros por minuto. Mas durante o exercício esse volume pode chegar a se quintuplicar devido às exigências que se produz no organismo.

As necessidades metabólicas que surgem durante a atividade física são compensadas mediante adaptações do sistema circulatório central e o periférico, como o aumento da pressão arterial máxima e da frequência cardíaca, a vasodilatação periférica e a local, e uma diminuição da pressão arterial mínima. O organismo contrai as artérias das regiões onde não se necessita um alto aporte de oxigênio (nas vísceras) e dilata ao máximo as zonas de esforço (dos músculos de pernas e braços) que requerem máximo aprovisionamento de oxigênio.

Muitos índices de hipertensão podem estar relacionados a stress. Ensinar às pessoas técnicas de gestão de stress eficientes, pode conduzir a uma redução do stress e a uma diminuição conseqüente da pressão arterial e o pilates, com suas metodologia consciente, pode desempenhar um papel importante nesta aprendizagem.

Para os hipertensos, é importante associar exercício com o relaxamento. É uma maneira de prevenir o estresse pois essa dupla diminuiu a pressão sanguínea. Dentro da prática do pilates acabamos encontrando estes dois aspectos: o exercício e o relaxamento.

Deve sempre ser lembrado que alguns cuidados devem ser tomados ao se prescrever exercícios para hipertensos, evitando estimular o aumento da pressão arterial e conseqüentemente diminuir os riscos de haver alguma complicação durante a prática dos exercícios.

Pilates & Hérnia de Disco

November 1st, 2011

Foto: Marianna Dib

As dores nas costas, também denominadas lombalgias, acometem de 80 a 90% da população em alguma fase de sua vida.

Em geral, a lombalgia é provocada pela degeneração discal ou pela hérnia de disco. Que podem estar relacionadas a vários fatores, como a má postura, esforços decorrentes de atividades físicas excessivas ou inadequadas, excessos de carga, obesidade, estrutura/carga genética, acidentes, entre outras que podem acabar deformando a estrutura da coluna.

A coluna vertebral é composta por vértebras, em cujo interior existe um canal por onde passa a medula espinhal ou nervosa. Entre as vértebras cervicais, torácicas e lombares, estão os discos intervertebrais, estruturas em forma de anel, constituídas por tecido cartilaginoso e elástico cuja função é evitar o atrito entre uma vértebra e outra e amortecer o impacto.

A Hérnia de disco se dá quando os discos intervertebrais desgastam-se em função do tempo e do uso repetitivo, ou seja, parte deles sai da posição normal e comprime as raízes nervosas que emergem da coluna.

O problema é mais frequente nas regiões lombar e cervical, por serem áreas mais expostas aos movimentos e que suportam mais carga. Felizmente, cerca de 90% dos casos de lombalgia, se resolvem em 2 à 4 semanas através de repouso, medicamentos e fisioterapia. Porém, os restantes 10% ou são operados ou se tornam portadores de lombalgia crônica.

Dentro destes 10% que não obtiveram melhora dos sintomas, muitos ortopedistas estão indicando o Pilates, como manutenção e até reabilitação. Na tentativa de num primeiro momento realizar um tratamento conservador para proporcionar alívio dos sintomas e melhorar a qualidade de vida. Não levando a maioria dos casos direto ao tratamento cirúrgico.

Pilates é um método que preconiza alcançar um desenvolvimento do corpo de forma uniforme, objetivando uma melhora do físico e do mental com exercícios globais, que exigem um trabalho do corpo todo, utilizando diferentes aparelhos e equipamentos.

Pilates ajuda no controle do stress

Foto: Pilates Studio Fit

Mais do que uma atividade complementar para preparar o corpo de forma equilibrada para a corrida, a prática de Pilates vai muito além do condicionamento dos músculos, da correção do gesto técnico e da prevenção de lesões.

Criado com a intenção de restabelecer e manter a saúde integral do indivíduo, o método Pilates tem papel de extrema importância no gerenciamento do stress negativo em nossas vida.

Primeiramente porque o método foi estruturado levando em consideração a forma pela qual devemos nos mover para atingir o perfeito equilíbrio e economia de movimentos, respeitando as estruturas anatômicas e biomecânicas do corpo. Para tanto, cada exercício foi pensado para ser realizado de determinada forma e ritmo, com baixo número de repetições e alta qualidade de execução.

Isso foi possível porque Joseph Pilates, criador da técnica foi atento observador da natureza e dos animais e estudioso praticante de diferentes formas de esportes e atividades físicas. Ele conseguiu reunir em uma só técnica a sabedoria das práticas milenares do oriente, como o yoga e as artes marciais, e o treinamento físico com vistas ao condicionamento e fortalecimento do corpo praticados no ocidente.

Levando em consideração não apenas que exercícios realizar, mas principalmente como realizá-los, vamos realmente atingir o controle e a consciência necessária para a prática do Pilates.

E de que forma isso ajudaria a equilibrar o stress?

Primeiramente pela prática consciente e completa da respiração durante a execução de todos os exercícios. Segundo B.K.S. Iyengar, mestre indiano de Yoga, “controlar a respiração e observar seus ritmos aquieta a consciência. Ao controlar a respiração você está controlando a consciência, e, ao controlar a consciência, você dá ritmo a respiração”.

Já se comprovou que a respiração lenta e profunda reduz significativamente os níveis de cortisol no sangue ao longo do tempo. A hipersecreção contínua de cortisol, responsável pela reação de estresse generalizada, é a responsável pelos estados negativos como depressão por exemplo, em contrapartida, baixos níveis de cortisol estão relacionados a sensação de bem-estar.

Por esse motivo, terminamos uma aula de Pilates sentindo o corpo trabalhado, energizado e com uma grande sensação de bem-estar.

Outro componente para a redução do stress é aprender a mover-se sem tensão, usando apenas os músculos necessários para a realização de um determinado movimento. O relaxamento consciente e seletivo proporciona maior economia de movimentos, facilita a fluidez, o controle e a precisão de movimentos.

A concentração garante a execução de movimentos conscientes e corretos. Ao concentrar-se em si mesmo, no próprio corpo, elimina-se a tendência de vaguear a mente por assuntos diversos que não nos ocupam aqui e agora.

A melhor notícia é que exercitar-se desta forma traz benefícios não apenas durante e logo após o término da aula de Pilates. Esse aprendizado de si mesmo é levado para todas as situações cotidianas nos ajudando a reconhecer os estados físicos e mentais e consequentemente nos proporcionando a oportunidade de agir de forma mais eficiente e consciente em todos os planos da vida.

Aquietar a mente, desenvolver equilibradamente o corpo reconhecendo o seu limite integra nosso ser e nos aproxima de nossa alma. Era isso que Joseph Pilates almejava com seu método: a saúde integral. Está aí a nossa disposição, experimente!

Fonte: diHITT

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

January 3rd, 2012 by Revista Pilates Nenhum comentário »

Imagem: Internet

Ao longo dos anos, os pesquisadores em saúde, tem mostrado a estreita relação existente entre os trabalhadores, suas profissões e a saúde dos mesmos. Pesquisas mostram que houve um aumento significativo de doenças ocupacionais em todas as áreas. Com os cirurgiões-dentistas não seria diferente e eles correspondem a 30% das causas de abandono precoce da profissão.

Os locais mais afetados nesses profissionais são os membros superiores e a coluna vertebral. O que afeta sua capacidade funcional. Pois permanecem estáticos na mesma postura por um longo período de tempo, realizando alguns movimentos repetitivos com os mesmos grupos musculares, tendo que adotar, às vezes, posturas inadequadas para a execução das tarefas. Isso, sem pausa entre os atendimentos, forçando excessivamente o sistema musculoesquelético.

O método Pilates tem sido uma alternativa de condicionamento muscular procurado por muitos profissionais desta área para a manutenção da boa postura e prevenção de lesões, em busca de um corpo saudável e mais resistente.

A incorporação do método nos exercícios de solo e aparelhos, permite que o praticante desenvolva um padrão postural melhor, aumentando a flexibilidade e a força de forma global potencializando a coordenação motora e consciência corporal.

Para esse público, é preciso enfatizar os grupos musculares estabilizadores da coluna, cintura escapular e membros superiores, já que durante o atendimento, não são realizados movimentos dinâmicos, de grande amplitude. E a respiração, a concentração e a fluidez de movimentos são princípios do método que permitem a conexão entre a mente e o corpo, dissipando tensões e stress. O que proporciona mais disposição e um melhor desempenho para o dia-a-dia.

Fonte: Clube do Pilates

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

Pilates e as Mulheres

January 2nd, 2012 by Revista Pilates Nenhum comentário »

Por Priscila Guimarães

Foto: Pilates Studio Fit

Quase todos os meses, alguma revista de moda, saúde, beleza ou até mesmo no jornal, é publicada alguma matéria sobre a transformação do corpo feminino através da prática de Pilates.

Mas o Pilates deixa de fato o corpo da mulher mais bonito?

A resposta é Sim! O Pilates traz inúmeros benefícios para a saúde feminina e em decorrência ele define o corpo da mulher, deixando-o firme, alongado e harmonioso.

Mas como?

O Pilates exige muito do abdome, atingindo os músculos profundos e artificias deste, alisando a barriga. Com isso, a silhueta se redefine, melhorando a postura, já que temos a “abertura” das costas , do peitoral, a cintura afina e delineia, pois ganhamos também o fortalecimento dos músculos dorsais. Crescemos em nossa postura.

Ocorre também o fortalecimento e o alongamento dos músculos, recriando o desenho natural do corpo ficando desenhado, equilibrado, forte. Por isso observamos os braços, costas e pernas desenhadas, com os músculos visíveis mas não hipertrofiados, e sim alongados.

Devemos lembrar ainda que, com a fase adulta, o corpo feminino começa a reduzir a produção de progesterona e essa redução está também relacionada com o aumento da gordura visceral, além de outros fatores, como genética etc. A gordura visceral é aquela gordura chata que se instala em nossa barriga e flancos. Apelidamos de “pochete”. Ela é a última à deixar nosso corpo após a prática regular de atividade física e da adoção de uma alimentação mais saudável.

A mulher sofre com essa gordura mais do que os homens e o Pilates como trabalha o centro do corpo através da contração abdominal, a consequência é a diminuição visível da gordura .

Fonte: Santo Corpo

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

Compartilhar

Pilates na gravidez facilita o parto

December 29th, 2011 by Revista Pilates 1 comentário »

Foto: Pilates Studio Fit

Durante o período de gestação, o corpo vai mudando rapidamente, e essas mudanças causam muito desconforto, fazendo com que a mulher sinta dores e apresente uma má postura.

Nessa fase os exercícios de condicionamento feitos com o auxilio das Técnicas de exercícios do Pilates pode ser de grande ajuda, amenizando as dores e melhorando a postura. Mas para isso, primeiramente a gestante deve procurar orientação médica, e caso não haja contra-indicação médica, ela poderá inicializar o exercício após completar o terceiro mês de gestação podendo continuar praticando até o final do sétimo mês, mais lembre-se, para isso deve primeiramente comunicar seu médico.

O Pilates durante a gravidez proporciona muitos benefícios tais como: Fortalecimento e alongamento da musculatura do abdome, também dos glúteos e da parte inferior das costas, que é parte do corpo responsável pela sustentação da coluna vertebral, além de diminuir a sensação de desconforto muito comum entre as grávidas, diminui também o inchaço das pernas e as dores nas costas.

A gestante que pratica Pilates adquire um bom condicionamento físico que proporciona a ela um bem-estar, alem de controlar o peso terá um abdome mais forte que vai tornar o trabalho de parto mais fácil.

Como os músculos do abdome estarão mais fortes irão facilitar o nascimento do bebê. O útero irá se contrair para expulsar o bebê, e automaticamente neste momento como um ato reflexo, a mulher faz a pressão abdominal que empurrar o bebê pelo canal da vagina. Nesta hora pode se perceber os benefícios de pilates, pois um abdome forte facilita e muito esse trabalho. Outra vantagem para quem pratica o Pilates, é que após o nascimento do bebê, se a musculatura estiver bem preparada, a recuperação será mais rápida.

Durante a pratica do Pilates, sem dúvidas a prioridade é que os movimentos sejam executados corretamente, sendo que a grávida deve estar acompanhada por um instrutor qualificado para que possibilite e garanta uma postura adequada da grávida. Nestes casos o principal objetivo é fazer poucas repetições de movimentos e com uma carga leve para que não venha a causar problemas durante agravidez. Para isso procure uma academia especializada.

Afinal você não gostaria de comprometer a saúde do seu bebê, não é mesmo.

Fonte: Tem Dicas

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

Compartilhar

Estabilização da Pelve e das Escápulas

December 27th, 2011 by Revista Pilates Nenhum comentário »

Por Rafaela Porto

Certificated Instructor STOTT PILATES

Coordenadora Técnica da Pilates StudioFit

Foto: Pilates Studio Fit

Independente dos seus objetivos ou necessidades que seu corpo tem, todos os movimentos de uma sessão de Pilates incluem a Estabilização da Pelve e das Escápulas. Agora, qual seria a grande importância disso?

Para garantir que o corpo esteja o mais natural possível, confortável e livre de qualquer tensão durante a execução dos exercícios, mantemos o alinhamento com a estabilização das cinturas (pélvica e escapular). Não importa o posicionamento em que você se encontrará nos exercícios, seu instrutor saberá da melhor maneira, te conduzir à uma execução segura e eficiente.

O alinhamento inferior de seu corpo será encontrado de acordo com sua base de suporte onde a pelve estará sem rotações ou inclinações, se isso ocorrer ocasionará desconfortos e tensões musculares principalmente na região da coluna e quadril. Nossa atenção maior será em ativar os músculos: assoalho pélvico, transverso do abdômen, multífidos antes de qualquer exercício a parede abdominal (especificamente oblíquos) serão acionados geralmente quando você executar movimentos em cadeia cinética aberta (quando os pés não estão apoiados).

No caso das escápulas, o bom posicionamento é tão importante quanto a ativação dos abdominais antes do início dos exercícios, principalmente por que as escápulas são ossos muito móveis pelo fato de não ter nenhuma inserção óssea coma a caixa torácica e a coluna vertebral.

Um trabalho ideal de alinhamento será desenvolvido para cada cliente. Nossa preocupação será em ativar os músculos: serrátil anterior, trapézio medial e inferior, rombóides e latíssimos do dorso, não mantendo esse controle você sentirá desconfortos e tensões na região do pescoço e ombros.

Se houver rigidez antes do início dos exercícios, será criado muito estresse muscular assim que o movimento começar, por isso não confunda contração com tensão e nem controle com relaxamento, crie uma consciência corporal ideal para as suas aulas!

Cada vez mais os corredores estão aderindo à prática de Pilates, mas por quê?

December 1st, 2011

Por Rafaela Porto

Certificated Instructor STOTT PILATES

Coordenadora Técnica da Pilates StudioFit

Foto: Pilates Studio Fit

Durante os treinamentos os praticantes equilibram essa prática não só com dieta mas também em sessões de Pilates. A técnica de Joseph Pilates se expandiu a partir da década de 20 e chegou ao Brasil nos anos 90, engana-se quem acredita que os exercícios são leves, o Pilates além de aliviar dores, tensões e evitar lesões, trabalha também equilíbrio, força e resistência.

O Pilates é um método que respeita o grau de condicionamento físico de qualquer aluno e, por isso, é possível realizar variações nos exercícios que podem adequar-se para o iniciante, intermediário e avançado, também não tem contra-indicações. No entanto, durante a execução do exercício, consideramos as limitações do praticante.

Os exercícios em uma aula de Pilates visam a qualidade do movimento e, diferentemente da musculação, o número de repetições e o seu resultado não estão relacionados. O fortalecimento da musculatura, juntamente com o controle respiratório profundo realizado no Pilates, também permite uma melhora na postura, o que evita desequilíbrios musculares.

Com o objetivo da melhora do rendimento, técnica na postura do atleta e em prevenção de dores e lesões o acaba se tornando um dos principais diferenciais do treino.

A modalidade é considerada uma importante atividade complementar entre os corredores pelo fato de trabalhar a região do core (conjunto de músculos abdominais e dorsais que controlam o centro de gravidade do corpo), o Pilates protege a coluna com a ação desses músculos consequentemente influencia o posicionamento e movimentação dos membros inferiores e superiores em relação à pelve e caixa torácica.

Na Corrida vamos fortalecer principalmente as articulações que mais sofrem com o impacto que ocorre durante a queda das passadas (tornozelo, joelho e quadril), e com certeza o tronco por conta dos movimentos dos braços que vão influenciar também no desempenho e na postura do atleta.

Pelo fato do Pilates trabalhar o aluno em diferentes bases, é possível desafiá-lo a cada aula e, dessa forma, o controle muscular aumenta progressivamente. Além disso, o método ensina que todos os músculos do corpo devem ser trabalhados em equilíbrio para não sobrecarregar nenhuma área.

Para ter todos os benefícios da modalidade e aprimorar a corrida, é aconselhável praticar Pilates de duas a três vezes por semana.

ilates X Escoliose

 

Imagem: Internet

Escoliose é a denominação dada a um desvio da coluna vertebral, caracterizado pela inclinação, rotação e extensão das vértebras. Pode se manifestar ainda na infância, na adolescência, ou começar mesmo na idade adulta. As causas são variadas e evoluem em diversos graus. O método Pilates pode oferecer grandes benefícios para os portadores da escoliose, desde que a real causa e o grau dos desvios posturais sejam respeitados, para se ter certeza na indicação ou não dos exercícios do método.

O portador de escoliose pode até não se queixar de sintomas e apenas perceber alteração na sua postura, mas é muito comum mencionar dores localizadas ou acompanhadas de outros sintomas associados, como dormências, queimação, marcha alterada, que podem até evoluir para sintomas mais intensos e mais difíceis de serem tratados. As causas são variadas e classificam a escoliose em dois grupos:

Estrutural: causada por doenças que atingem a coluna ou suas estruturas resultando em deformidades fixas.

Não estrutural: causada por problemas posturais, de raiz nervosa (ciático), discrepância no comprimento dos membros inferiores, contraturas musculares e cicatrizes.

Imagem: Internet

O Pilates tem a capacidade de oferecer fortalecimento, alongamento e equilíbrio corporal, proporcionando melhor alinhamento vertebral, reduzindo as tensões musculares e as compressões discais, devido à flexibilidade que vai sendo adquirida pelo corpo, proporcionando alívio aos pacientes com escoliose e ainda prevenindo o agravamento da doença.

O cuidado está na hora da prática. O Pilates como método de reabilitação para escoliose baseia-se no grau da lesão, na intensidade dos sintomas, nos fatores adicionais a esta lesão e na capacidade de execução dos exercícios pelo paciente. Não deve haver sobrecarga ou dor, nem durante, nem após a execução.

ilates para escápula alada

Imagem: Internet

O músculo serrátil anterior é largo, origina-se nas primeiras nove costelas e se insere na superfície costal da escápula, ao longo da sua borda medial. Pode ser dividido em três porções: superior, medial e inferior. A digitação inferior que se insere no ângulo inferior da escápula é a mais importante. Ela exerce a principal função do músculo, que é fixar a escápula contra o tórax durante os movimentos do ombro. O músculo serrátil anterior é inervado pelo nervo torácico longo (nervo de Bell).

Após a paralisia do músculo serrátil anterior, a escápula tende a se deslocar para trás, dando o aspecto de asa (escápula alada).

A deformidade de escápula alada não é uma condição clínica freqüente. Velpeau, em 1837, foi o primeiro a reconhecer a paralisia do serrátil anterior. Os pacientes queixam-se de dor, fraqueza, desconforto e diminuição da mobilidade ativa do ombro. Todos esses sintomas variam com a gravidade da lesão nervosa. Embora a lesão do nervo torácico longo seja fácil de ser reconhecida na avaliação clínica, o diagnóstico e a etiologia devem ser confirmados pela eletroneuromiografia (ENMG), que também orienta o prognóstico.

Existem várias causas para essa lesão nervosa. A literatura mostra grande variedade de agentes causais, como: traumatismo, infecção, exposição ao frio, complicação cirúrgica, esportes, choque elétrico, entre outras. Muitos casos são de etiologia obscura.

A recuperação espontânea do nervo torácico longo pode ocorrer e muitos pacientes tornam-se assintomáticos. Outros recuperam satisfatoriamente os movimentos do ombro afetado, mas permanecem com alguma deformidade residual. O tempo de recuperação varia de seis meses a três anos e o prognóstico é melhor quando ela ocorre abaixo de seis meses.

O tratamento deve ser conservador nos estágios iniciais ( 06 à 12 meses) e os procedimentos cirúrgicos só devem ser indicados nos casos refratários com incapacidade física para o trabalho e para os esportes. Grande variedade de tratamentos cirúrgicos tem sido proposta para substituir o músculo paralisado. Existem três procedimentos básicos: a escapulopexia, as transposições musculares e a artrodese escápulo-torácica.

É no tratamento conservador que o Pilates entra trazendo ótimos resultados. Atuando de forma a ativar o equilíbrio entre cadeias musculares. Alongando músculos tensionados e fortalecendo aqueles mais fracos. O método busca reorganizar a dinâmica muscular da cintura escapular, visto que esse conjunto de músculos, nervos e articulações são muito instáveis pela grande variedade de movimentos que possuem.

É recomendado que o indivíduo com diagnóstico de escápula alada se afaste temporariamente de atividade repetitivas, esportes e não carregue peso.

Qual a relação entre Dorsolombalgia e Lombalgia no Pilates ?

December 7th, 2011

Por

Rafaela Porto | Certificated Instructor STOTT PILATES  | Coordenadora Técnica da Pilates StudioFit

Felipe Andrade Freire de Moraes | Instructor  STOTT PILATES | Fisioterapeuta Especialista

Foto: Pilates Studio Fit

Sabemos que nossa coluna tem curvaturas naturais e a força dos músculos em volta das vértebras desempenha um papel fundamental na “distribuição” dos impactos de acordo com o peso do próprio corpo. O desequilíbrio dessa área proporcionará a instabilidade e terá como principal consequência a dor, então concluímos que o treinamento para esse tipo de clientes deve ser planejado com ênfase na estabilização segmentar.

A dor torácica (meio das costas para baixo) e lombar (5 últimas vértebras da coluna) é menos comum que sentir dor somente na região lombar. Independente do local, essas dores podem estar relacionada com: a postura do corpo e/ou coluna (em relação a desvios posturais ou desequilíbrios musculares), a mudança do centro de gravidade na gravidez, por exemplo, a instabilidade articular, qualquer tipo de lesão ou fratura óssea, tumores entre outros fatores.

É verdade que o fortalecimento da musculatura profunda do abdômen ajuda, porém, dados de outros estudos científicos mostram que quem sofre de dores na coluna tem um decréscimo de força nos extensores da coluna em relação às pessoas que são consideradas saudáveis.

Enfim, podemos concluir que o trabalho de equilíbrio não é fácil devido principalmente às mudanças de posturas realizadas no dia a dia, mas é possível, assim também como o fortalecimento muscular. O método Pilates por sua vez, tem um papel fundamental na prevenção da dor aliviando assim tensões e evitando futuras lesões, melhorando a postura, consciência corporal, propriocepção, flexibilidade, força e estabilização do centro (região lombo pélvica).

Sendo os movimentos da coluna resultantes de uma série de pequenos movimentos articulares, atuando sob a ação dos músculos, ela seria totalmente instável. O programa de atividade física pode contribuir para amenizar a sobrecarga na coluna e tolerar melhor o estresse postural. Por outro lado, a atividade praticada sem orientação adequada pode apresentar problemas.

Então para casos de patologias na coluna, antes de fazer qualquer exercício, deve-se buscar a orientação de médica. Ao iniciar uma aula de Pilates, o instrutor deve fazer uma avaliação física para identificar os problemas e as limitações do paciente/aluno e assim, aplicar os exercícios mais adequados de acordo com cada pessoa.

ilates para quem trabalha sentado(a)

November 21st, 2011

Imagem: Internet

Hoje em dia, com a proliferação dos computadores, cerca de 3/4 dos trabalhadores dos países industrializados tem atividades profissionais sedentárias, nas quais a posição sentada por longo períodos é provavelmente a postura mais utilizada no emprego. O que acarreta um grande número de pessoas com lesão postural.

Há um grande número de profissionais que desenvolvem a sua atividade predominantemente nessa posição: Administradores, engenheiros (as), cientistas, motoristas, telefonistas, secretários (as), balconistas, advogados (as), costureiros (as), servidores (as) públicos, bancários (as), psicólogos (as), dentistas, professores (as), arquitetos (as), farmacêuticos (as), médicos, etc., e de acordo com dados atuais, a incidência de lesões associadas ao trabalho efetuado por longos períodos na posição sentada, é elevado. Isso porque as próprias características do trabalho associado com a má postura (por fraqueza muscular, desvios, má formação e/ou falta de consciência corporal), constituem um fator determinante para o desenvolvimento de dores na coluna e no pescoço.

A má postura pode ser a causa de várias lesões, que ocorrem quando os músculos e os ligamentos que envolvem a coluna são sobrecarregados, estirados ou torcidos. Cuidar da postura no trabalho, no lazer e em casa, fazer algum tipo de atividade para fortalecer e alongar, são atitudes que promovem a saúde e ajudam a combater possíveis lesões.

Além de termos alguns cuidados específicos no dia a dia, devemos também fortalecer, alongar, reeducar e conscientizar o nosso corpo. Prevenindo lesões, obtendo um melhor desempenho no trabalho e mais qualidade de vida.

Imagem: Internet

Por isso este motivo, sugerimos que faça pilates!

O método fortalece os músculos fracos, alonga os músculos que estão encurtados e aumenta a mobilidade das articulações, promovendo flexibilidade e equilíbrio muscular.

Movimentos fluentes devem ser feitos sem pressa com muito controle, para evitar estresse.

O alinhamento postural é muito importante em cada exercício, ajudando na melhora da postura global do indivíduo. A força, a tonificação e o alongamento são trabalhados de dentro para fora do corpo, tornando-o forte, saudável e harmonioso.

O Pilates ainda trás como benefícios a melhora da concentração, da coordenação motora e da consciência corporal, podendo ser praticado por pessoas de todas as idades e níveis de condicionamento físico.

Fonte: ClubedoPilates

Compartilhe essa página com seus amigos nos links abaixo:

Nossa Coluna e Suas Curvas

November 11th, 2011

Letícia Toledo Roverci

Instructor Trainer STOTT PILATES

Coordenadora Técnica da Pilates StudioFit


Imagem: Internet

Tão importante quanto o posicionamento das cinturas, está o posicionamento das colunas: Lombar, torácica e cervical. Para que a coluna seja saudável, a mobilização em todos os planos de movimento é aconselhável. No plano sagital (mediano), temos a flexão e extensão. No plano coronal (frontal) temos as flexões laterais e no plano transversal (horizontal) temos as rotações.

  • Coluna lombar: A coluna lombar é formada por 5 vértebras e possui uma convexidade anterior (lordose). É uma das regiões da coluna que menos possui movimento e mais absorve impactos. Normalmente dores acontecem nessa região devido a falta de força, falta de mobilidade e mal posicionamento durante exercícios. Devemos corrigir os alunos sempre que forçarem em excesso essa região durante as extensões de coluna e com o posicionamento em cadeia cinética fechada, pois a tendência é pressionar a coluna contra o chão sem ativação muscular dos abominais.
  • Coluna torácica: A coluna torácica é formada por 12 vértebras e possui uma convexidade posterior (cifose). Algumas pessoas possuem essa cifose mais acentuada (hipercifose) e necessitam fortalecer a musculatura posterior das costas para equilibrar o trabalho muscular e melhorar a postura. A coluna torácica deve estar bem posicionada durante os exercícios mantendo sua curvatura normal, principalmente quando acontecem os movimentos dos membros superiores, que tendenciam à perda desse alinhamento.
  • Coluna cervical: A coluna cervical é formada por 7 vértebras e possui uma convexidade anterior (lordose). É a região final do esqueleto axial, devendo manter o prolongamento da coluna torácica. Seu bom posicionamento alivia tensões na musculatura ao redor e nos ombros. Deve acompanhar a movimentação da coluna torácica em todos os planos e se manter estabilizada na mesma direção da coluna torácica quando em exercícios que não movimentem a coluna.

Utilizar esses alinhamentos e posicionamento vai garantir a segurança e efetividade dos exercícios nas sessões de Pilates, que nos proporcionam séries de exercícios funcionais para o dia-a-dia.

O desfile da Victoria’s Secret é o tipo de evento que dá frio na barriga das modelos, ainda que grande parte delas não tenha nenhuma proêminencia nessa parte do corpo e, portanto, nada para se preocupar. O evento ocorreu no dia 09.11 e, entre as modelos estava a brasileira Alessandra Ambrósio.

Antes da data do desfile, sabe onde a top poderia ser encontrada grande parte do tempo? Na academia SLT (Strength, Lengthen, Tone).

É que Alessandra, como todas as outras angels, encaram um treino especial antes da passarela da marca de lingeries, afinal, além de desfilarem com pouca roupa, as fotos daquele dia rodam o mundo. O da brasileira inclui um mix de exercícios para o fortalecimento muscular com Pilates feitas em um aparelho específico batizado de Megaformer (originalmente criado para o programa de Sebastien Lagree, guru do fitness). Além das aulas de 50 minutos, Alessandra, que é superativa, ainda aproveita para ficar em forma com suas atividades usuais: surfe, patinação e até subindo e descendo escadas!

Aqui, a top em um dos treinos da SLT (Strength, Lengthen, Tone) na Califórnia/ Foto: Internet

As aulas da academia, que custam US$ 40 cada (cerca de R$ 69) e são descritas como body-transforming no site, têm ganhado cada vez mais adeptos, prova é a recente abertura de uma unidade em Nova York. Seria graças a Alessandra? Ao olhar para a foto acima é possível afirmar que melhor garota propaganda (ainda que não oficial), impossível.

 

Pilates x Bursites

October 14th, 2011

Foto: Internet

Nas articulações existem pequenas estruturas com o formato de bolsas que armazenam líquidos sinoviais. São as chamadas bursas, que têm funções de proteção e amortecimento, destinando-se a reduzir o atrito entre os ossos e a evitar que os tecidos moles ao redor (musculaturas, ligamentos e tendões) sofram pressão excessiva.

Em decorrência de variados motivos as bursas podem sofrer inflamações, instalando-se assim, as denominadas bursites. Dentre as principais causas das bursites destacam-se os traumatismos locais, o excesso de movimentos repetidos, as lesões por esforços musculares, as artroses e demais problemas articulares.

Quando ocorre uma bursite, as paredes da bursa atingida tornam-se mais espessas e passam a produzir mais líquido. Isso resulta em inchaço local, rigidez, irritação da pele, compressão das estruturas adjacentes e dores, sentidas principalmente ao movimentar a região afetada.

O corpo humano possui várias bursas, distribuídas em locais estratégicos. Algumas delas apresentam maior incidência de inflamações, tais como: cotovelos, punhos, dedos, quadris, joelhos, tornozelos, pés e principalmente nos ombros, por ter grande quantidade de bursas contidas nesta região.

Bursites são condições normalmente temporárias, mas podem se tornar crônicas.

A bursite aguda não infecciosa habitualmente é tratada com repouso, imobilização temporária da articulação afetada e um anti-inflamatório não esteróide. Por vezes, podem ser precisos analgésicos mais fortes. Como alternativa, pode se injetar diretamente na bolsa uma mistura de um anestésico local e um corticosteróide. Quando diminui a dor, a prática de exercícios específicos é útil para aumentar o grau do movimento articular.

O tratamento da bursite crônica é semelhante, embora seja menos provável que tanto o repouso como a imobilização sejam eficazes. As bursites que limitam a função dos membros podem ser aliviadas por meio de injeções de corticosteróides juntamente com fisioterapia intensiva, para restabelecer o funcionamento da articulação.

Uma vez controlada a dor, deve ser iniciado o trabalho de prevenção e/ou correção dos fatores causais. Como houve muito desconforto, os movimentos acabam limitados e se dá um quadro de tensão e fraqueza muscular. Comprometendo as atividades da vida diária.

Com a prática do Pilates, a qualidade e o equilíbrio muscular serão enfatizados através de exercícios específicos e holísticos de força, flexibilidade e estabilização.

Os braços, pernas e quadris estarão mais preparados para suas funções, a coluna estará mais alinhada, alongada e fortalecida. Haverá um reequilíbrio dos músculos esqueléticos de forma geral e a ergonomia será otimizada, conduzindo a uma redução considerável dos impactos nas articulações, sobretudo nas bursas, amenizando o atrito e as inflamações.

E por ser uma patologia de frequência recidivante, se não for corrigida as suas causas subjacentes elas podem se desenvolver com mais frequência. Por este motivo, exercícios como o Pilates são muito importantes, ajudam a reforçar os músculos enfraquecidos e restabelecer o grau completo do movimento articular estabilizando e prevenindo dores.

Pilates X Artrose

November 29th, 2011

Imagem: Internet

A artrose, também conhecida como osteoartrose, osteoartrite, artrite degenerativa e doença articular degenerativa, é uma doença reumática, caracterizada pela destruição da cartilagem articular (aderida ao osso) e do próprio osso adjacente, diminuindo o amortecimento principalmente entre as articulações dos joelhos, coluna, quadril, mãos e dedos. Ocorre tanto em homens como em mulheres, sendo a mais comum das doenças reumáticas.

O principal sintoma é a dor, que se manifesta através de estímulos mecânicos, quando a articulação é utilizada. Em alguns casos, a cartilagem pode se calcificar favorecendo a formação de condensações e deformidades ósseas, como os osteófitos (bicos-de-papagaio) que ocorrem na coluna vertebral. Em outros casos, a artrose pode atingir várias articulações ao mesmo tempo (poliartrose), dificultando a distinção com a artrite reumática.

Embora a artrose seja mais freqüente em pessoas idosas, a sua causa não é a simples deterioração que implica o envelhecimento. A causa da artrose pode estar relacionada a vários fatores, tais como, microtraumatismos de repetição, cargas articulares excessivas, obesidade, atividades ocupacionais, fatores metabólicos, endócrinos e hereditários.

Além da dor, a artrose também pode causar ruídos, inchaços e rigidez articular, deformidades e comprometimento das funções da articulação. Todas as articulações podem sofrer dessa patologia, mas, as mais comprometidas são em geral as que suportam maior impacto ou sofrem mais desgaste, além das articulações interfalangianas distais (pontas dos dedos).

O tipo de tratamento depende da gravidade, do acometimento e das particularidades do aluno. Pode incluir tanto tratamentos com ou sem medicamentos (fisioterapia), que visam não somente aliviar a dor, mas sobre tudo preservar a função da articulação em questão.

A fisioterapia tem fundamental importância nos casos de artrose. Geralmente, no começo do tratamento o alívio da dor é priorizado, com aparelhos que promovem a analgesia (diminuição da dor) e, posteriormente, inicia-se um trabalho de fortalecimento e alongamento da musculatura que envolve e protege a articulação, podendo então acrescentar na reabilitação exercícios de fortalecimento proporcionados pelo método Pilates.

Os cuidados apropriados podem causar diferenças significativas na qualidade de vida do paciente, podendo evitar que a artrose cause maiores danos. Desta forma, o Pilates vem apresentando resultados excelentes à melhora da qualidade de vida dessas pessoas. A prática do Método ajuda a amenizar as dores, porque fortalece a musculatura das regiões envolvidas, desenvolve a flexibilidade e o controle motor. Há um grande repertório de exercícios de Pilates que visam funcionalidade, organização e fortalecimento global. Os exercícios, sem impacto, focam a amplitude articular, alongamento e reforço muscular, fundamentais para a prevenção dos sintomas dolorosos. Além disso, todos os exercícios realizados são associados a movimentos respiratórios, à coordenação e à concentração, exigindo equilíbrio mental e corporal, respeitando os limites de cada indivíduo.

A Hipertensão é uma patologia cada vez mais comum entre pessoas de todas as idades e é muito comum que indivíduos com este problema acabem buscando o Pilates, para auxiliar na sua qualidade de vida, diminuir o stress, entre outros fatores relacionados à pressão arterial. O método Pilates pode ajudar muito este tipo de aluno e alcançar estes propósitos, mas alguns cuidados precisam ser tomados com relação à escolha dos exercícios para este público.

Durante a atividade física se produz mudanças na circulação sanguínea destinadas a prover um maior aporte de oxigênio aos tecidos que estão se movimentando. Este aporte maior se produz graças ao esforço do coração, pois este órgão, dependendo do esforço realizado, acaba aumentando o volume de sangue que envia ao corpo todo, uns 70 centímetros cúbicos de sangue por batida. Este valor, multiplicado por 70 batidas por minuto (a normal, em repouso) representa, aproximadamente, 5 litros por minuto. Mas durante o exercício esse volume pode chegar a se quintuplicar devido às exigências que se produz no organismo.

As necessidades metabólicas que surgem durante a atividade física são compensadas mediante adaptações do sistema circulatório central e o periférico, como o aumento da pressão arterial máxima e da frequência cardíaca, a vasodilatação periférica e a local, e uma diminuição da pressão arterial mínima. O organismo contrai as artérias das regiões onde não se necessita um alto aporte de oxigênio (nas vísceras) e dilata ao máximo as zonas de esforço (dos músculos de pernas e braços) que requerem máximo aprovisionamento de oxigênio.

Muitos índices de hipertensão podem estar relacionados a stress. Ensinar às pessoas técnicas de gestão de stress eficientes, pode conduzir a uma redução do stress e a uma diminuição conseqüente da pressão arterial e o pilates, com suas metodologia consciente, pode desempenhar um papel importante nesta aprendizagem.

Para os hipertensos, é importante associar exercício com o relaxamento. É uma maneira de prevenir o estresse pois essa dupla diminuiu a pressão sanguínea. Dentro da prática do pilates acabamos encontrando estes dois aspectos: o exercício e o relaxamento.

Deve sempre ser lembrado que alguns cuidados devem ser tomados ao se prescrever exercícios para hipertensos, evitando estimular o aumento da pressão arterial e conseqüentemente diminuir os riscos de haver alguma complicação durante a prática dos exercícios.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: